. .

Prós e contras da transição digital em eventos de promoção comercial

Artigo científico conduzido pela Consultora Internacional do Sindmóveis, Ana Cristina Schneider, integra a primeira edição da Revista de Artigos da Apex-Brasil

 

Os eventos digitais de negócios, mesmo com todas as suas vantagens e conveniências, não devem substituir as ações presenciais como feiras, rodadas de negócios, entre outras. Esse é o principal insight de uma pesquisa realizada com 185 empresas compradoras e vendedoras de distintos setores, publicada em formato de artigo científico na edição de estreia da Revista de Artigos do Simpósio em Negócios Internacionais da Apex-Brasil, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Os trabalhos publicados tiveram como foco estudos sobre a temática da Transformação Digital e o intuito da revista é gerar e compartilhar conhecimentos sobre negócios internacionais contando com a expertise de pesquisadores e estudiosos. O artigo “Transição Digital em Eventos de Promoção Comercial: Prós e Contras” foi coordenado pela Consultora Internacional do Sindmóveis Bento Gonçalves, Ana Cristina Schneider, com colaboração de Camila Flores Orthb, Carlota Carneiro, Eduardo Trapp Santarossa, Hélmer Valencia e Jéssica Brandalise.

O estudo situa a demanda empresarial de continuidade nos negócios e manutenção de relacionamentos num contexto em que todos os principais eventos mundiais de promoção comercial foram adiados ou cancelados como consequência da pandemia. Em virtude dessas limitações, ações inovadoras como eventos e reuniões virtuais surgiram como alternativa para as relações comerciais – um cenário que era esperado, mas levaria anos para se concretizar não tivesse sido acelerado pela pandemia.

 

Virtual e presencial em sintonia

 

O resultado da pesquisa sustenta que as ações virtuais são inovações relevantes por apresentarem alguns atributos positivos (prós), mas não substituem a realização de ações presenciais. Com efeito, foram derivados importantes atributos para a realização de negócios, podendo ser classificados como “contras” nos eventos digitais. Com base na percepção atual, os pesquisadores concluíram que os eventos digitais, com todas as suas vantagens e conveniências, não devem substituir as ações presenciais. “Os encontros presenciais oferecem a oportunidade única de experimentação e contato com os produtos e serviços, bem como o contato pessoal direto entre os players para a geração de leads e negócios”, pontua Ana Cristina.

Por outro lado, a pesquisa ofereceu insights importantes sobre a condução de ações digitais para melhores resultados, elencando-se a abordagem, preparação e troca prévia de informações e materiais. O artigo situa também a possibilidade da organização e intensificação de modelos de eventos híbridos internacionais – ou seja, físicos e digitais, cuja realização pode resultar em mais “prós” e mitigar os “contras”. “Combinados, os modelos possibilitam resultados ainda melhores e com maior abrangência geográfica, otimizando tempo e recursos”, conclui.

 

Mais sobre a pesquisadora

 

Ana Cristina Sant’anna Schneider é Mestre em Administração pela UFRGS, professora da Escola de Negócios da PUCRS e presta consultoria em estratégia e desenvolvimento de mercado global. Tem experiência de 20 anos em planos de marketing internacional e promoção de marcas brasileiras no exterior. No Sindmóveis e Movergs, atua na assessoria de estratégia e de mercado, bem como consultoria dos projetos Orchestra Brasil (fornecedores da indústria moveleira) e Raiz (designers de móveis brasileiros).

A Revista de Artigos da Apex-Brasil está disponível no link [https://click.apexbrasil.us/revista-artigos-simposio].