Notícia

  • 25 Mai 2016
    Sindicatos acordam convenção coletiva moveleira para o polo de Bento Gonçalves

Com negociações balizadas pela crise econômica instalada na indústria nacional, o Sindicato das Indústrias do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sindmóveis) e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Bento Gonçalves (Sitracom) finalizaram nesta quarta-feira, dia 25, a Convenção Coletiva de Trabalho válida até o dia 31 de janeiro de 2017. O acordo foi acompanhado pelos departamentos jurídicos de ambas as entidades e concede a reposição da inflação correspondente ao INPC do período, que foi de 11,31%, de forma parcelada.

O diretor jurídico-trabalhista do Sindmóveis, Alexandre Michelin, pontua que as negociações tiveram um rápido desfecho em virtude da situação delicada enfrentada pelo setor e o empenho das empresas em manter os postos de trabalho, apesar de muitas indústrias estarem operando com capacidade ociosa. “Analisando o fechamento de 1.185 empregos diretos no ano em Bento Gonçalves no ano passado, é possível afirmar que o desempenho do setor é o pior em pelo menos 20 anos. Esse desempenho negativo ocorre em um contexto da ampla crise econômica brasileira. Desta forma, os sindicatos priorizaram minimizar perdas ainda maiores”, pontua.

A convenção versa, entre outras determinações, sobre os pisos salariais e benefícios ao trabalhador. As empresas já haviam concedido antecipação salarial de 5% no mês de janeiro. As diferenças salariais resultantes do acordo deverão ser pagas aos trabalhadores no salário referente ao mês de maio de 2016, com a última parcela de reposição ocorrendo no mês de junho. Com a convenção, o salário admissional da categoria (para o período de experiência de 60 dias) passa a ser de R$ 1.176,88. O salário intermediário é de R$ 1.213,28 e, a partir de seis meses de empresa, o empregado passa a receber R$ 1.371,01.

Ficou acordado ainda que, a título de antecipação salarial, será aplicado de 3,5% de reajuste no mês de janeiro de 2017, incidindo sobre todos os salários, inclusive os normativos. Esse percentual poderá ser compensado na próxima Convenção Coletiva (2017/2018).