Notícia

  • 28 Mar 2017
    Na abertura da Fimma, presidente da Apex-Brasil promete apoio à internacionalização do setor moveleiro

A abertura da Feira Internacional de Máquinas, Matérias-Primas e Acessórios para a Indústria Moveleira (Fimma Brasil 2017) reuniu, em Bento Gonçalves, os principais players da cadeia moveleira, além do governador do Estado do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, e o presidente da Apex-Brasil, Embaixador Roberto Jaguaribe.

Seu pronunciamento, aguardado por fabricantes de insumos para a cadeia moveleira e também de móveis, propriamente, enfatizou e baixa participação do Brasil no mercado internacional. Segundo ele, a participação do país no comércio externo global desses produtos é de apenas 0,4% - o que, segundo ele, é incompatível com sua dimensão e possibilidades.

O presidente da Apex-Brasil garantiu que a entidade está atenta aos desafios para incrementar as exportações no setor, como o avanço das economias emergentes nos mercados tradicionalmente explorados pela indústria moveleira do Brasil, a exemplo de Índia e Turquia, que ampliam a concorrência internacional até então liderada pela China. Além disso, o Embaixador admitiu a influência do custo Brasil, mas disse confiar nos atributos de competitividade do setor. “Além da capacidade produtiva e diversidade de produção, o setor moveleiro nacional ainda tem uma boa relação custo/benefício no cenário internacional se comparado a produtos europeus e americanos”, destaca Roberto Jaguaribe.

O presidente da Apex-Brasil garantiu o apoio da agência à internacionalização do setor moveleiro nacional, amparado por ações do Sindmóveis, Movergs e Abimóvel no sentido de sensibilizar o empresário para a importância da presença no mercado externo. “Em termos de imagem, nossa estratégia no mercado internacional deve contemplar ações que promovam uma mudança na percepção internacional sobre a indústria brasileira de móveis, de seguidora para lançadora de tendências”, conclui.

A Fimma Brasil 2017, promovida pela Movergs, é a quinta maior feira de máquinas e insumos para a indústria moveleira. O Sindmóveis participa com estande no hall do pavilhão A, onde apresenta seus projetos, e também apoiando o Projeto Comprador, que vai promover rodadas de negócios entre fornecedores de insumos e 50 importadores convidados. A Fimma Brasil segue até o dia 31 de março, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

cenário influenciado, inclusive e segundo ele, por uma legislação conflituosa que cria impacto negativo para o setor moveleiro nacional. Jaguaribe apontou o fortalecimento de mercados como a Índia e Turquia como exportadores mundiais de móveis, fazendo frente ao próprio mercado chinês, até então o principal concorrente mundial dos móveis brasileiros. Ao mesmo tempo, segundo ele, as exportações brasileiras de móveis vêm caindo para destinos da África como

 

 

 o setor moveleiro nacional precisa ampliar sua participação no mercado internacional