Notícia
  • 13 Ago 2013

    Casa Brasil traz importadores de sete países


Foto destaque da notícia Foto destaque da notícia

Em parceria com a Apex-Brasil, ação visa gerar exportações para os expositores da feira
 
Em um esforço para ampliar a geração de exportações dentro da Casa Brasil, Sindmóveis e Apex-Brasil estão proporcionando a vinda de importadores de sete países para a feira, realizada de 13 a 16 de agosto, em Bento Gonçalves. Entre eles, dois importantes compradores de móveis e complementos convidados especialmente para captar parceiros comerciais entre os estúdios e indústrias presentes na feira. 
Dos Estados Unidos, estará na Casa Brasil a cofundadora da empresa de branding e distribuição Style West, Kerri Sengstaken. Especialista em moda e marcas de lifestyle, ela foi a responsável pelo posicionamento das Havaianas nos Estados Unidos, inserindo o produto no programa da apresentadora Oprah Winfrey e levando dezenas de celebridades a surgirem na mídia usando as sandálias.
Também estará presente na feira o presidente da MUJI Global Sourcing Private Limited, Takashi Yajima. Esse braço da MUJI, a maior rede de varejo do Japão, é responsável pelo desenvolvimento de produtos e compras nacionais e internacionais para as lojas da cadeia. Os dois convidados participarão de um encontro com expositores.  
Além dos dois convidados, cinco jornalistas estrangeiros e nove importadores participarão da primeira edição do Projeto Comprador da Casa Brasil. As rodadas de negócios com compradores do Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, México, Panamá e Tanzânia iniciaram nesta terça e acontecerão nos estandes das empresas inscritas durante toda a feira. Ao todo, 42 expositoras participam da ação. 
O importador José Luiz Pereira Braz, de Santiago, Chile, vem pela primeira vez à Casa Brasil buscando peças inovadoras e assinadas. Segundo ele, o Brasil está em alta no Chile e as criações brasileiras são muito requisitadas por arquitetos daquele país, encantando pela identificação que têm com a realidade latino-americana. “O design brasileiro é maravilhoso por ser quente, aconchegante”, ressalta. 
O diretor internacional da Casa Brasil, César Nepomuceno, espera que a geração de negócios a partir das rodadas de negócios supere os USD 5 milhões no prazo de 12 meses. “A Casa Brasil almeja que, além dos negócios gerados com a vinda destes compradores, aumente a conscientização do público internacional a respeito do design brasileiro como forma de identificação, bem como da indústria de alto padrão. Em outras palavras, que o design seja reconhecido como uma importante ferramenta de competitividade”, reforça. 
Para mais informações, acesse www.casabrasil.com.br.